Exclusivo

Quem derrubou João Saldanha?

Vitor Orlando Gagliardo - jornalista

govitor@yahoo.com.br


João Saldanha foi jornalista e, simplesmente, o técnico que montou a seleção brasileira da Copa do Mundo de 70, no México. Infelizmente, ele foi demitido as vésperas da Copa, por não se submeter as pressões da ditadura. Acima de tudo, por ser membro do Partido Comunista Brasileiro, Saldanha não era bem visto pelo alto comando. “A ditadura não admitia que um líder comunista retornasse nos braços do povo, carregando em definitivo a Jules Rimet. E João Saldanha sabia disto”, diz o jornalista e advogado, Carlos Ferreira Vilarinho, autor do livro ‘Quem derrubou João Saldanha?’ (Editora LivrosdeFutebol). No livro, Vilarinho destrincha todos sos bastidores que antecederam a demissão de Saldanha. Por fim, dá uma versão oficial dos fatos, eliminando os mitos do acontecido.


1. Seguindo o título do livro, quem derrubou João Saldanha?

A ditadura militar. A partir da posse de Médici (outubro de 1969), a intervenção do regime sobre a CBD foi direta. Ora, nada melhor do que a Jules Rimet para dar aparência humana ao comandante do sistema DOI/CODI, já em fase final de implantação. Mas após a classificação para o México, Saldanha perdera a utilidade. Segundo o irmão do capitão-supervisor Cláudio Coutinho, o coronel-ministro Jarbas Passarinho acertou a troca do técnico e do supervisor (Adolfo Milman) diretamente com Havelange. Lembremos que, dois dias após a demissão de Saldanha, a cúpula do futebol foi convocada pelo titular do MEC para prestar contas. Passarinho tratou de convocações com Médici e depois deu uma coletiva de imprensa sobre o tema. Já os dirigentes de CND/CBD foram direto ao Palácio do Planalto para três reuniões: 1) com o chefe da Casa Militar, general João Baptista de Figueiredo; 2) com o chefe da Casa Civil, Leitão de Abreu; 3) com o chefe do SNI, general Carlos Alberto da Fontoura.

2. Até que ponto, o fato de ser membro do Partido Comunista Brasileiro (PCB) prejudicou Saldanha como técnico da seleção brasileira?

Saldanha era então um ídolo nacional, aclamado pelo povo por sua inteligência e valentia. Em qualquer parte do mundo aonde chegasse era cercado por jornalistas e fãs do futebol brasileiro. Isso se confirmou nas suas andanças pela Europa, em 1969. Quando voltou, em dezembro, foi eleito o Desportista do Ano (Troféu Estácio de Sá), com o dobro dos votos dados a Pelé. Mas Saldanha era um notório militante do Partido Comunista Brasileiro, portanto, um inimigo político e ideológico. Não podia embarcar para o México.

3. Por que um crítico da Confederação Brasileira de Desportos (CBD), como Saldanha, e membro do PCB, foi convocado para treinar a seleção brasileira?

João Saldanha já fora convidado em 1958, 1966, 1967 e 1968. Em 1964, os jornalistas Hélio Fernandes e Nelson Rodrigues já haviam defendido o seu nome publicamente, em artigos assinados. Em 1968, o jornalista Maneco Müller também o lançou. A CBD chamou Saldanha porque ele era uma autoridade em futebol e porque pretendia conquistar o apoio da imprensa carioca, a mais influente do país, neutralizando a oposição da imprensa paulista. Foi uma jogada de mestre. E os generais avalizaram porque eram pragmáticos. Saldanha topou na hora porque era a coisa que ele mais queria fazer.

4. Pode-se afirmar que a demissão de Saldanha foi política porque ele não quis convocar o Dario Maravilha?

Dario não tinha nada de maravilha. No dia 3 de março de 1970, véspera do amistoso contra a Argentina, em Porto Alegre , Saldanha respondeu a um repórter da TV Gaúcha (afiliada da TV Globo do Rio de Janeiro). Resumidamente, foi assim: “Nem eu escalo o ministério, nem o presidente escala time. Então tá vendo que nós nos entendemos muito bem”. No momento em que foi dada, quatorze dias após o corte indecente de Toninho (por sinusite), para forçar a convocação de Dario, a resposta mostrou a Médici que Saldanha seria uma pedra no sapato. Daí a quatorze dias, Saldanha foi demitido.

5. A demissão do treinador foi cercada por inúmeros mitos que você destrincha no livro. Qual foi o pior dos mitos?


O pior deles é o de que Saldanha caiu porque era um tresloucado, porque criou atritos a torto e a direito e porque se intrometeu em assuntos que não eram da sua competência. Mas há outro mito quase tão grave quanto o primeiro. É o que atribui a Saldanha a preferência pelo 4-2-4, um sistema por ele abandonado já em 1959, quando era técnico do Botafogo. São mentiras propagadas há quarenta anos por uma legião de invejosos, provocadores e bajuladores do regime militar.

6. A demissão foi uma surpresa para o treinador?

Não. A ditadura não admitia que um líder comunista retornasse nos braços do povo, carregando em definitivo a Jules Rimet. E João Saldanha sabia disto. No princípio de janeiro de 1970, na Cidade do México, encontrando-se com Didi, Saldanha confidenciou-lhe “que não duraria muito na Seleção em virtude de vários problemas”.

7. Qual foi a reação dos jogadores com a demissão? A propósito, como era a relação do Saldanha com jogadores como Pelé, Jairzinho, Gérson, entre outros craques?

Saldanha era o líder das “Feras”. Quando ele foi demitido, os jogadores ameaçaram debandar se o substituto fosse Yustrich. Inclusive, todos (exceto Pelé) estavam dispostos a deixar a concentração para cobrar da cúpula da CBD (então reunida no Centro da Cidade) a permanência de Saldanha. Só desistiram porque foram demovidos pela mulher do treinador. Quanto a Pelé, é preciso dizer o seguinte. Como já fizera com Gérson, poupado no treino contra o Bangu (dia 14), Saldanha decidiu poupar Pelé no amistoso contra o Chile (dia 22). E Pelé achou ótima idéia. Havia um grave conflito entre Pelé e a CBD envolvendo cotas por jogo. Além disso, toda a programação financeira da CBD estava baseada na escalação de Pelé, que estava acima do peso e no bagaço. Por pouco o advogado de Pelé, Mário Raimondini não processou a CBD. Saldanha comprou a briga de Pelé e foi mal compreendido.

8. Qual a contribuição que ele deixou para o futebol?


Saldanha reconquistou a confiança do povo no escrete nacional. No dia seguinte à sua posse, ele escalou os 11 titulares, praticamente os mesmos que ele escalara dois anos antes no jornal ÚLTIMA HORA. Saldanha acabou com as interferências de clubes e federações. De todos os 16 países classificados para o México, foi o Brasil quem obteve a melhor campanha: 6 vitórias em 6 jogos. Saldanha foi o arquiteto do tricampeonato, deixando, ao sair, o time montado.

9. Por fim, há alguma razão específica para a convocação do Zagallo como técnico?

Embora relativamente novo na profissão (desde 1967), Zagalo já mostrara o seu grande valor, conquistando vários títulos com o Botafogo. Em 1969, ele era o terceiro nome da lista da CBD, depois de Saldanha e Yustrich. Um dia após a demissão de Saldanha (17/03/1970), o chefe da comissão técnica, Antônio do Passo, avistou-se com Dino Sani (de manhã) e Zagalo (à tarde). Dino chegou, teve uma rápida conversa e voltou para São Paulo. O impasse surgiu porque ele não aceitou trabalhar sob a supervisão do capitão Cláudio Coutinho. Alegou sua pouca experiência, mas de fato, repeliu a imposição de Dario. Já Zagalo (indicado por Saldanha) aceitou Cláudio Coutinho, Dario, etc. Pegou o emprego

3 comentários:

Anônimo | 21 de junho de 2010 23:12

João Saldanha é um patrimonio da historia do BOTAFOGO!!!

Anônimo | 21 de junho de 2010 23:13

estou lendo o livro dele.

O CARA É UM ÍDOLO NATO.

JOÃO SEM MEDO é o melhor apelido que ele poderia ter recebido.

Anônimo | 21 de junho de 2010 23:34

João Saldanha era um Dunga com mais peito ainda, foi uma vez armado atras de um 'jornalista' pra tirar satisfaçao. tem meu respeito.

Postar um comentário