Exclusivo

Muito dinheiro para craque e falta de estrutura

Quantas vezes você já se perguntou o porquê de um jogador de um futebol ganhar um salário tão bom? De fato, eles ganham muito bem, mas se olharmos por outro lado, eles geram (ou pelo menos deveriam gerar) receitas ainda maior para seus empregadores.

No entanto, analisando o mercado de futebol, no começo deste ano, um fato me chamou a atenção e me veio o seguinte questionamento: ‘por que um jogador de futebol quer jogar no exterior?’. Como de praxe, empresários e jogadores com suas respostas clichês respondem: ‘A vida de jogador de futebol é curta, por isso é necessário buscar uma estabilidade agora’. Certamente, você em casa deve ficar irado com essa resposta, ainda mais se ganha o mesmo salário há anos.

Enfim, indo direto ao assunto, o que me causou estranheza são os grandes salários que estão sendo oferecidos no país. Veja só: De acordo com o site português ‘Futebol Finance’, em 2009, o atleta mais bem pago do mundo, o luso Cristiano Ronaldo, recebia mensalmente do Real Madrid cerca de 1.083.000 € (aproximadamente R$ 2.469.240). O melhor brasileiro da lista, Kaká, está em quinto lugar recebendo 833.000 € mensais (R$ 1.899.240) pelo clube merengue.


É certo que estes valores são irreais e para poucos no mundo do futebol. Mas vejam só: Ronaldinho Gaúcho, até então na reserva do Milan, recebia 625.000 € ( R$ 1.425.000). Contratado pelo Flamengo, receberá, só de salário, cerca de R$ 1.000.000 (aproximadamente 440.000 €). Menos do que recebia no Milan, certo? Mas o craque receberá cotas de patrocínio e de vendas de produtos com o seu nome. Mesmo assim, repare que Ronaldinho receberá mais do que os campeões do mundo Puyol e Iniesta do Barcelona (416.000 € cada).

O Flamengo não é a exceção. O atacante Luis Fabiano do Sevilla, insatisfeito com a reserva, tenta se transferir para a Juventus. Seu salário mensal no clube espanhol: 267.000 € (R$ 608 mil). Para acertar com o time italiano, ele topa reduzir para 209.000 € (R$ 476.520). O Fluminense, último campeão brasileiro, paga para Fred, Deco e Muricy cerca de R$ 750 mil mensais (329.000 €). O Grêmio ofereceu para o atacante Jonas cerca de R$ 600 mil (263.157 €). Ainda há Ronaldo no Corinthians, o Thiago Neves no Flamengo e tantos outros.

A grande questão é como os clubes, todos endividados, estão oferecendo tais salários europeus para estes jogadores. E a resposta parece simples, mas será um grande desafio para o futuro dos clubes. Quem paga esses salários astronômicos são empresas parceiras. Só que os clubes estão virando reféns dessas parcerias, pois estão dando em troca, receita, visibilidade da marca e possíveis novos talentos de craques. Ou seja, uma bola de neve.

Aí fica uma outra questão: não seria melhor investir esse dinheiro em estrutura e em novos talentos?

3 comentários:

Anônimo | 26 de janeiro de 2011 09:58

acho q é grande chance de trazermo de volta nossos jogadores q saem novos a preço de banana

Anônimo | 26 de janeiro de 2011 09:59

são investimento q trazem retorno imediato, mas à longo prazo são prejuduciais e um clube tem q pensar em projetos maiores

Anônimo | 26 de janeiro de 2011 10:02

acho q os clubes devem pensar a longo prazo e esses jogadores, em geral, já tem uma idade avançada

Postar um comentário