Matéria

O risco dos balões

Vitor Orlando Gagliardo - jornalista

govitor@yahoo.com.br


Os meses de junho e julho são marcados por festividades juninas. Também são os meses de grande incidência de acidentes com os balões. Neste último domingo, os moradores do Morro do Cabrito, zona sul do Rio de Janeiro, passaram por momentos de pânico em um incêndio sem proporções: O motivo: um balão.

Aos desavisados que gostam desta prática, precisam abrir o olho: soltar balão é um crime previsto no Código Penal. E não pára por aí. De acordo com a Lei de Crimes Ambientais, fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios nas florestas e demais formas de vegetação, em áreas urbanas ou qualquer tipo de assentamento humano, prevê a detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. Também, estão sujeitos ao pagamento de de multa que varia entre R$ 1 mil a R$ 10 mil por balão.


O Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro lançou uma cartilha para alertar toda a população sobre o perigo dos balões. Destaque para:

. Prejuízos ao meio ambiente: queimadas descontroladas - com a chegada e durante os festejos juninos, as chuvas são escassas, a vegetação fica seca e os ventos mais intensos, criando as condições propícias para a propagação do fogo e suas conseqüências danosas ao Meio Ambiente.

Conseqüências: os incêndios provocam o empobrecimento do solo, a destruição do “habitat” de vários animais da fauna silvestre, a diminuição da vegetação de preservação permanente, contribui para o desaparecimento de espécies vegetais ameaçadas de extinção, impede a regeneração da mata, provoca o aumento do percentual de dióxido de carbono na atmosfera e sua influência no efeito estufa, a morte de vários animais silvestre e o conseqüente desequilíbrio ecológico.

. Prejuízos econômicos e sociais: As refinarias de petróleo são áreas muito vulneráveis aos balões e suas equipes de serviço promovem uma verdadeira ação de guerra para monitorar a movimentação de balões sobre os seus espaços aéreos; pois mesmo sem tocar nos dutos, depósitos e demais instalações, podem provocar explosões em pleno ar por causa da emanação de gases inflamáveis.

Conseqüências: balões juninos podem provocar explosões em refinarias, depósitos de combustíveis e ainda causar muitas mortes; podem causar o interrompimento do fornecimento de energia elétrica, causando o desligamento repentino da força, quando caem sobre as linhas de transmissão e nas subestações elétricas, deixando milhares de pessoas, hospitais e indústrias sem energia, o que, além dos inevitáveis prejuízos econômicos, pode vir a causar a perda de vidas.

. Prejuízos à segurança de vôo e a aeronavegabilidade dos aviões e helicópteros - O fato dos balões de ar quente alçarem vôo de forma descontrolada, faz com que invadam os espaços e corredores aéreos por onde se deslocam as aeronaves.

Conseqüências: Um acidente aéreo, além de vitimar os passageiros pode provocar outras perdas em terra.


De acordo com o Sindicato Nacional de Empresas Aéreas, 20% das ocorrências envolvendo balões acontecem em maio, 13% em junho e 18% em julho. Só para se ter uma idéia, os balões maiores chegam a ter 30 metros de altura e o peso, somados as fogueteiras, ferragens e armações de madeiras, podem chegar a mais de 100 quilos.

Por essas e outras, que a Polícia Civil está oferecendo R$ 2 mil reais por informações que levem aos responsáveis pelo incêndio no Morro dos Cabritos.

6 comentários:

Anônimo | 23 de junho de 2010 05:58

baloeiros não tiveram infancia,tudo babaca !!

Anônimo | 23 de junho de 2010 06:03

cultura ultrapassada, se isso é cultura

Anônimo | 23 de junho de 2010 06:04

Não solto balão...

É tão bonito quanto destruídor....enfim...

Ninguém vai parar de soltar balão...nunca...quem curte não tá nem aí e ponto...

Anônimo | 23 de junho de 2010 06:04

Tem que pegar esses vagabundos!

Anônimo | 23 de junho de 2010 22:10

Pôr em risco a natureza e a vida das pessoas por uma simples diversão é uma estupidez incomensurável.

Não solte balões!

Anônimo | 23 de junho de 2010 22:11

No ano passado 154 incêndios foram provocados por balões em São Paulo. Entre 2001 e 2006, a capital paulista registrou 768 casos.

Em um dos acidentes, que atingiu um barraco, gêmeas de 7 meses foram atingidas enquanto dormiam e acabaram morrendo. http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI1677213-EI8139,00.html

Entre 1993 e 1997, os balões provocaram 14.011 incêndios em vegetações na área do Rio de Janeiro. O problema é agravado pela menor umidade do ar no outono, que coincide com o aumento da atividade baloeira, motivada pelo Dia do Trabalho, Dia das Mães e, sobretudo, pelas Festas Juninas.http://www.bombeirosemergencia.com.br/soltarbalao.htm

Postar um comentário