Utilidade Pública

Tragédia no Centro
De acordo com a Secretaria de Urbanismo, já passam de 400 denúncias de possíveis irregularidades em obras. Trata-se de um número alto, levando-se em consideração o curto tempo do desastre no Centro.



Participei da cobertura pela Rio TV Câmara, empresa que trabalho, e pude estar mais perto do que a maioria dos que, provavelmente, estarão lendo este texto.
Para início de conversa, tínhamos a informação de 21 famílias cadastradas em busca de parente desaparecidos. Esse número caiu para 20. Sendo assim, ainda faltam três corpos que ainda não foram encontrados.
Acho importante destacar um depoimento extraído de uma entrevista que fiz com o vereador Marcelo Arar. Ele mencionou a falta de fiscalização da prefeitura e o fato de cidadãos não atentarem para a responsabilidade de uma obra.
Infelizmente, poucos são àqueles que contratam um engenheiro para uma obra. Fato que para qualquer mudança ao projeto original da planta, um profissional precisa ser consultado. No entanto, isso gera custos adicionais e, na maioria das vezes, muita burocracia na prefeitura.
Para evitar novos desastres como o ocorrido, é fundamental que a Prefeitura fiscalize prédios, que a Câmara dos Vereadores atue em suas comissões e que a população também tenha sua dose de responsabilidade. Não podemos permitir que este fato seja apenas capa de jornal e vire suíte nos dias seguintes. São vidas que se perdem e não voltam.

-------------

Nos próximos meses teremos a polícia tentando encontrar culpados e políticos utilizando esse desastre para ganhar votos.

--------------

Triste saber que funcionários da Prefeitura roubaram objetos nos destroços do desabamento. Essa é uma cena corriqueira em casos de enchentes, por exemplo. Prova viva que pessoa ruim não tem coração e não conhece a palavra solidariedade.

1 comentários:

Anônimo | 16 de fevereiro de 2012 17:15

perfeito esse final:

Triste saber que funcionários da Prefeitura roubaram objetos nos destroços do desabamento. Essa é uma cena corriqueira em casos de enchentes, por exemplo. Prova viva que pessoa ruim não tem coração e não conhece a palavra solidariedade.

Postar um comentário